Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Mitologia em Português

17 de Fevereiro, 2020

O mito do reencontro de Helena e Menelau

Ainda a celebrar um pouco do amor, falamos hoje de outro mito em que este sentimento também tinha um papel principal.

Bastará que se tenha lido a Ilíada para se saber que a grande razão de todo o conflito entre Gregos e Troianos foi o rapto de Helena, vulgarmente até conhecida como "Helena de Tróia". Existem diversos momentos durante essa guerra em que os Troianos consideraram devolvê-la ao seu marido, quase sempre com o objectivo de conseguirem salvar a sua cidade. Mas, afinal de contas, como acabou toda essa sequência da história?

 

Após a morte de Páris, que a tinha como que raptado dos braços do marido, Helena foi dada em casamento a um irmão deste, Deifobo. Mais tarde, aquando da conquista de Tróia, Menelau esquartejou-o com enorme violência, antes de perseguir a sua esposa, que também pretendia vir a matar. E teve então lugar a cena que pode ser vista neste vaso, e que também aparece repetida em muitos outros:

O reencontro de Helena e Menelau

Do lado esquerdo está Menelau, quase próximo de Helena, com uma espada na sua mão, que aqui já parece cair (um elemento muitíssimo frequente nos vasos que têm esta cena pintada). Do lado direito está a sua esposa, numa clara pose de fuga, a buscar refúgio num altar de alguma figura divina. O que quer tudo isto dizer?

 

Segundo o mito, quando Menelau se preparava para alcançar a sua esposa e matá-la, por influência da deusa Afrodite sentiu um amor infindável. Em vez de dar um golpe mortal com a sua espada, deixou-a cair e abraçou Helena ternamente, enquanto chorava. Desculpou-a de tudo o que se tinha passado, tornando a amá-la como 10 anos antes.

Que isto se deveu a uma intervenção da deusa do amor está bem presente em outros vasos que mostram o episódio. Por vezes Helena mostra-lhe os seios nus, em outros casos Eros sobrevoa a cena, e frequentemente a própria deusa do amor até é representada no local. Veja-se outro belíssimo exemplo neste pequeno vídeo:

Esta parece ter sido a versão mais popular do episódio do reencontro (e, possivelmente, até a mais bela). Porém, não era a única - tanto Eurípides como Estesícoro (entre outros possíveis autores perdidos), apresentavam uma hipótese segundo a qual Helena nunca tinha estado em Tróia, como já cá falámos antes, e em que o reencontro das duas figuras é bem menos impressionante...

Gostas de mitos, lendas, livros antigos e muitas curiosidades?
Recebe as nossas publicações futuras por e-mail - é grátis e irás aprender muitas coisas novas!
16 de Fevereiro, 2020

Actualização deste espaço

Hoje avisaram-nos que existia uma falha na plataforma que impedia a colocação de novos comentários. Já foi corrigida! Além disso, foi melhorado o look da página.

Gostas de mitos, lendas, livros antigos e muitas curiosidades?
Recebe as nossas publicações futuras por e-mail - é grátis e irás aprender muitas coisas novas!
14 de Fevereiro, 2020

O Passo Honroso, símbolo do amor de Suero de Quiñones por Leonor de Tovar

Falar deste Passo Honroso, símbolo do amor de Suero de Quiñones por Leonor de Tovar, é um tema perfeito para este Dia dos Namorados. É um belíssimo (e, admita-se, romântico) episódio que tem tanto de lenda como de realidade. Na imagem pode ser visto um torneio medieval, como aqueles que hoje vemos em diversos filmes. O que poucos saberão, no entanto, é que esses torneios, e toda uma mística que os envolve, têm um fundo de verdade, de que iremos dar um breve exemplo.

O Passo Honroso, símbolo do amor de Suero de Quiñones por Leonor de Tovar

Simplificadamente, em 1434 um cavaleiro de Leão (no norte de Espanha), de seu nome Suero de Quiñones, decidiu organizar um torneio com o objectivo de honrar a sua amada, a bela Leonor de Tovar, antes de terminar a sua peregrinação a Santiago de Compostela. Por isso, com permissão do rei ele e nove companheiros ocuparam uma ponte (que ainda existe, e pode ser vista aqui), e decidiram que quem a quisesse cruzar teria de os defrontar em combate, ou em alternativa dar-lhes uma luva, em evidente sinal de cobardia, e depois atravessar o rio a nado. Queriam partir 300 lanças antes de abandonar o local, o que, segundo as regras do evento, equivaleria a combater pelo menos 100 cavaleiros diferentes.

O torneio começou a 10 de Julho de 1434 e terminou a 9 de Agosto do mesmo ano, quando os organizadores já estavam demasiado cansados e feridos após 166 batalhas contra 68 cavaleiros diferentes, delas resultando um único morto e zero derrotas para os defensores, como nos é referido no Libro del Passo Honroso - uma crónica do evento que até contém estatísticas dos combates e muita outra informação, e pode ser facilmente encontrada online.

 

Não encontrámos registo do que Leonor de Tovar terá pensado de toda esta grande prova de amor do Passo Honroso, mas sabe-se que em dada altura casou efectivamente com Suero de Quiñones, tornado muito famoso por todo este evento, e tiveram um filho e uma filha.

Fica sempre o convite para que alguém dos nossos dias organize, por amor, um evento semelhante a este. O de Hospital de Órbigo, a localidade onde tomaram lugar estes eventos, repete-se todos os anos no primeiro fim de semana de Junho.

Gostas de mitos, lendas, livros antigos e muitas curiosidades?
Recebe as nossas publicações futuras por e-mail - é grátis e irás aprender muitas coisas novas!
12 de Fevereiro, 2020

Santa Isabel e o Milagre das Rosas

De entre as lendas de santos em Portugal é provável que a de Santa Isabel e o Milagre das Rosas seja uma das mais famosas. Por isso, iremos recordá-la não com as nossas palavras, mas aquelas que descrevem todo o acontecimento no Largo do Castelo do Sabugal:

Santa Isabel e o Milagre das Rosas

A história mais popular da Rainha Santa Isabel é sem sombra de dúvida o «Milagre das Rosas». Segundo a lenda portuguesa, numa manhã fria e geada de inverno a rainha santa saiu do Castelo do Sabugal para fazer a caridade aos mais desprotegidos da sociedade, levando no seu regaço pedaços de pão e outros víveres. Foi de imediato interpelada pelo rei seu marido, que a questionou «que levais no regaço?» De imediato respondeu «são rosas, senhor!»

Desconfiado, D. Dinis inquiriu-a de novo. «Rosas de Inverno?» A rainha mostrou então o conteúdo do regaço do seu vestido e nele só haviam rosas, ao contrário dos pãos que aí colocara.

In «História de Portugal», de Manuel Pinheiro

 

Onde tomou lugar um tão estranho acontecimento? Se a relação entre Santa Isabel e o Milagre das Rosas é mesmo real, seria de esperar que tivéssemos algum relato consistente de onde ele tomou lugar, mas as diversas fontes dizem-nos é que poderá ter sido em Coimbra, em Alenquer, em Leiria, ou até em outros locais. A presença desta versão da lenda no Castelo do Sabugal nota que também esse local é a ele associado. Mas, se realmente tomou lugar, ou se se trata somente de uma história fictícia, é algo mais difícil de responder... mas que merece a introdução de um elemento que poucos ainda parecem conhecer - entre outros milagres associados a esta mesma rainha contava-se um outro milagre das rosas, bem menos conhecido que este!

 

Segundo essa outra lenda, hoje muito pouco conhecida, quando estavam a ter lugar obras no convento de Santa Clara [a Velha], em Coimbra, esta rainha quis ir pagar aos funcionários com a sua própria mão.  Foi apanhada pelo marido, que perguntou o que levava consigo. A rainha, procurando esconder o ouro, disse que eram apenas rosas. Mas era Inverno, e então o seu marido, Dom Dinis, estranhando ainda mais toda a situação, pediu para as ver... e, por milagre, esse ouro transformou-se mesmo em rosas!

Contrariamente ao anterior, já este milagre - se tiver sido verdade, e não uma mera ficção - sabe-se bem onde teve lugar. Porém, a semelhança com o anterior levanta muitas questões... terão existido, em outros tempos, várias histórias semelhantes a esta, ou será que originaram num qualquer evento, potencialmente real, em que Santa Isabel foi apanhada com algumas rosas no seu regaço? Como é comum nestas coisas, já não temos qualquer forma de o saber, mas não deixa de ser curioso que alguma transformação de "algo" em rosas já tenha vindo a ser atribuído a esta rainha deste muito cedo nas suas histórias. Mais que isso são, bem, apenas possibilidades...

Gostas de mitos, lendas, livros antigos e muitas curiosidades?
Recebe as nossas publicações futuras por e-mail - é grátis e irás aprender muitas coisas novas!
11 de Fevereiro, 2020

A Lenda das Arcas de Montemor-o-Velho

A lenda das arcas de Montemor-o-Velho, também conhecida (mas erradamente) como uma lenda das arcas de Montemor-o-Novo é, na verdade, apenas uma só, que o contexto de algumas versões - que a associam ao tempo dos Mouros - permite identificar com a cidade próxima de Coimbra, a velha Mont Maior dos Árabes. E falamos de "versões", aqui, com toda a justiça deste mundo, porque ouvimos e lemos as mais diversas versões de toda esta história, que em comum têm o grande facto de mencionarem, bem próximo do final da trama, duas misteriosas arcas, que parecem continuar a ser procuradas até aos dias de hoje.

Montemor-o-Velho, o castelo da lenda das duas arcas

Na verdade, fruto de existirem tantas versões diferentes desta lenda, acaba por ser difícil conseguir resumi-la aqui, mas todas elas têm em comum um elemento muito conhecido - que numa altura agora difícil de precisar foram escondidas no interior das muralhas do castelo de Montemor-o-Velho duas grandes arcas. Uma delas contém riquezas sem fim, enquanto que a outra, fisicamente igual em tudo à primeira, contém todos os males deste mundo. Como tal, por muito que as pessoas anseiem descobrir a primeira - e dizem vagas histórias dos nossos dias que elas continuam a ser procuradas no agora-famoso local - os poucos que dizem ter encontrado pelo menos uma delas temem sempre abri-la, com medo de tornar este mundo num local pior.

 

Será verdade, esta lenda das arcas de Montemor-o-Velho? Ou será que as duas arcas gémeas se escondem, em alternativa, em Montemor-o-Novo, no Alentejo? Visto que figuras tão eminentes como José Hermano Saraiva contaram esta lenda e a associaram à povoação próxima de Coimbra, não temos qualquer razão real para duvidar dessa identificação. Porém, já acreditar na verdadeira possibilidade da existência das duas arcas é algo muito diferente - a crer-se numa verdade da história, como se explicaria que alguém tivesse conseguido colocar numa singela arca todos os males do mundo? A Caixa de Pandora teve origem divina, e presume-se que só um verdadeiro deus conseguisse criar uma arca semelhante, mas nenhuma das versões que ouvimos o lemos informa qualquer proveniência etérea da mesma - e, assim, toda esta história se trata de uma mera lenda nacional, e nada mais...

 

 

P.S.- Curiosamente, esta não é a única lenda do género em Portugal. Num local de nome "Abóbeda", em terras do Alentejo, acreditava-se que existiam dois potes enterrados, um com ouro e outro com veneno, sendo que este último tinha - por razões agora desconhecidas - uma sardinha de ouro na tampa. Apesar dessa ténue e estranha distinção entre os dois potes, também a abertura de um deles parecia ser temida pela população local...

Gostas de mitos, lendas, livros antigos e muitas curiosidades?
Recebe as nossas publicações futuras por e-mail - é grátis e irás aprender muitas coisas novas!
10 de Fevereiro, 2020

O mito de Narciso em resumo

De entre os muitos que nos chegaram da Antiguidade e da Mitologia Grega, o mito de Narciso, de que aqui falamos hoje, é ainda um dos mais famosos dos nossos dias de hoje. De facto, ainda se fala bastante de "narcisismo" - aquela infame característica de alguém que gosta exageradamente da sua própria imagem física - por uma evidente relação com a agora-famosa história desta curiosa figura dos tempos da Antiguidade. Por isso, e para quem ainda não a conhecer, nada como recordar aqui esse famoso mito, de uma forma bastante resumida e muito fácil de ler:

O mito grego de Narciso

Narciso é - ou melhor, era - um jovem de incrível beleza. Porém, por muitas que fossem as mulheres a se apaixonarem por ele, ele rapidamente se dizia incapaz de amar qualquer uma delas. Até que um dia, farta de todas essas rejeições contínuas, uma dada jovem - ou seria ela, na verdade, uma ninfa? - lhe desejou que este se viesse a apaixonar por si próprio. E, por intervenção divina, assim veio mesmo a acontecer - um dado dia, enquanto bebia água de um pequeno ribeiro, este herói olhou para a sua imagem refletida nas águas, estacou por um breve momento, e... vendo esse seu próprio reflexo, apaixonou-se. Não por outra mulher, ou por um simples homem, ou mesmo por uma deusa do Olimpo, mas somente pela figura de si próprio. Completamente apaixonado, este herói foi então incapaz de afastar o olhar dessa imagem por um só segundo que fosse, deixou-se ficar nesse local durante horas, dias, semanas... até falecer de fome e de cansaço, mas num "júbilo" constante de se amar a si próprio.

 

Este é o cerne de todo o mito. Se as diversas versões lhe adicionam um ou outro elemento - por exemplo, a das Metamorfoses de Ovídio, a mais famosa de todas elas, funde-o com o mito da ninfa Eco, e metamorfoseia-o numa nova flor após a morte - tende sempre a ser um aspecto comum que este herói seja levado à sua destruição pela sua húbris, pelo facto de se considerar inapaixonável, independentemente de quem se lhe cruze. E é esse amor desmesurado por si próprio, seja o deste Narciso ou o de cada um de nós, que o mito nos tenta instar a temer, numa espécie de moral da história.

 

Diga-se mais, até. No tempo de agora, das mais distintas redes sociais, de vários "likes" a cada nova imagem que se vai publicando, talvez seja sempre uma óptima ideia relembrar aquela grande lição que o jovem Narciso, cujas acção aqui resumimos, só aprendeu com a sua própria morte... gostarmos de nós mesmos não tem absolutamente nada de mal, até bem pelo contrário, mas o problema começa é quando essa paixão se torna tão grande que interfere na nossa relação com os outros, não vos parece? E é essa a grande lição que este mito nos tenta passar, hoje, tal como nos tempos da Antiguidade...

Gostas de mitos, lendas, livros antigos e muitas curiosidades?
Recebe as nossas publicações futuras por e-mail - é grátis e irás aprender muitas coisas novas!
08 de Fevereiro, 2020

Conhecem a versão original da Saia da Carolina?

Cremos que todos os leitores já conhecem a letra da Saia da Carolina dos nossos dias, i.e. "A saia da Carolina tem um lagarto pintado", pelo que é preferível recordá-la somente com um pequeno vídeo infantil, o primeiro que encontrámos na internet, acessível aqui.

Saia da Carolina

Esta música nada teria de especial, não fosse o facto de ontem uma idosa, ao recordar-nos algumas músicas do seu tempo de meninice, nos ter cantando uma versão significativamente diferente. Os mais cépticos poderão tentar apontar que se tratam de músicas diferentes... e poderíamos aceitar, não fosse um problema na canção infantil dos nossos dias, que passa pelo facto de somente descrever uma saia, em que ás tantas é acrescentado "foi lavada com sabão, tem cuidado ó Carolina não lhes deixes pôr a mão"...

 

Estes versos não puderam deixar de nos intrigar. À medida que pesquisávamos, encontrámos uma versão da música que era a cantada pela idosa, e uma outra, bastante semelhante mas de origem galega. Em ambos os casos, apenas aqui reproduzimos alguns versos mais significativos:

A saia da Carolina tem um lagarto pintado
Quando a Carolina dança o lagarto dá ao rabo.

A saia da Carolina, ten un lagarto pintado;
Cando a Carolina baila, o lagarto dalle o rabo.

Bailaste, Carolina?

Bailei sim senhor

Diz-me com quem bailaste?

Bailei com o meu amor.

Bailaches Carolina?

Bailei, si señor.

Dime con quen bailaches.

Bailei con meu amor.

A Carolina é uma tola que tudo faz ao revés

Despe-se pela cabeça e veste-se pelos pés.

A Carolina é unha tola que todo fai ó revés.

Éspese pola cabeza e díspese polos pés.

 

Bailaches Carolina?

Bailei, no cuartel.

Dime con quen bailaches.

Bailei co coronel.

O senhor cura nos baila porque tem uma coroa.

Baile, senhor cura, baile que Deus tudo lhe perdoa!

O señor cura non baila porque ten unha coroa.

Baile señor cura baile, que Dios todo llo perdoa.

 

Bailaches Carolina?

Bailei, abofé.

Dime con quen bailaches.

Bailei co meu Xosé.

A Saia da Carolina não tem pregas nem botão

Tem cuidado ó Carolina não te caia a saia ao chão.

A saia da Carolina foi lavada com sabão

Tem cuidado ó Carolina não lhe deixes pôr a mão.

 

A saia da Carolina é curta é das modernas

Tem cuidado ó Carolina ela não te tapa as pernas.

 

 

No curro da Carolina non entra carro pechado.

Na máis entra Carolina, co seu cocho polo rabo.

 

Co teu amor Carolina, non volvas a bailar,

Porque che levanta a saia

Ié moi mala de baixar.

 

Onde nos pode levar esta comparação? Essencialmente, a canção infantil dos nossos dias é uma versão sanitizada de uma versão sanitizada portuguesa de uma canção originalmente galega. Que é a versão de nuestros hermanos a original, e não a nossa, pode ser compreendido pelo facto de existir uma simplificação da letra geral e do próprio refrão, que é algo muito mais comum do que uma ampliação de um original.

 

A canção original não era, de todo, para crianças. Contém alguns elementos metaforicamente sexuais, associados a uma rapariga "tola" que "faz tudo ao contrário". Em que consistem as suas várias tolices é fácil de compreender na versão galega, mas esses elementos foram sendo censurados ou removidos tanto na versão dos nossos dias como na cantada pela idosa. E compreende-se assim de que "lagarto" fala a letra, a razão pela qual andavam a pôr as mãos na saia da Carolina, e o porquê de esta necessitar de ser lavada com sabão... e, no mesmo contexto, talvez um dia revelemos quem foi o tal gato a quem atiraram um pau!

Gostas de mitos, lendas, livros antigos e muitas curiosidades?
Recebe as nossas publicações futuras por e-mail - é grátis e irás aprender muitas coisas novas!
07 de Fevereiro, 2020

A lenda de George Washington e a cerejeira

A lenda de George Washington e a cerejeira é uma daquelas histórias sobejamente conhecidas nos Estados Unidos da América, mas que até poucos conhecerão na Europa e em outros locais. Como tal, hoje decidimos explorá-la um pouco:

George Washington e a cerejeira

Diz então a lenda que quando George Washington era criança recebeu no seu aniversário um pequeno machado. Feliz com a prenda, decidiu tentar cortar algumas das árvores no seu quintal, até que acabou por cortar a cerejeira favorita do seu pai. Certamente que o progenitor se zangou, mas quando foi confrontar a criança com o seu acto, o filho limitou-se a responder-lhe, com palavras que se tornariam muito famosas, "Fui eu que cortei a cerejeira. Não posso mentir." A ira original rapidamente se transformou em orgulho pela enorme honestidade do filho.

 

Se existem muitas lendas nesta página que não sabemos se se tratam de ficção ou realidade, neste caso em particular sabe-se que esta é uma mera história ficcional, inventada por um biógrafo de George Washington - o seu nome era Mason Locke Weems, para quem tiver curiosidade de o saber - para dar um colorido extra à juventude do herói americano, bem como deixar claro que a sua famosa honestidade, muito bem conhecida entre um público americano, lhe era inata.

Gostas de mitos, lendas, livros antigos e muitas curiosidades?
Recebe as nossas publicações futuras por e-mail - é grátis e irás aprender muitas coisas novas!
05 de Fevereiro, 2020

A lenda da Batalha de Ourique

O tema de hoje, o da lenda da Batalha de Ourique, foi-nos suscitado por alguém que há algumas semanas veio cá procurar por "lendas antigas da época dos portugueses". Não é totalmente claro o que essa pessoa pretendia encontrar, mas dado esse estranho mote achámos que poderíamos aqui contar uma das mais antigas e mais famosas histórias de Portugal, aquela de uma batalha que se diz ter tido lugar num local próximo de uma povoação com o nome de Ourique.

A lenda da Batalha de Ourique

Conta-nos esta lenda - se a batalha foi real, muitos dos elementos que entram nesta história só lhe aparecem associados vários séculos mais tarde - que a 25 de Julho de 1139 Afonso Henriques se encontrou em combate contra os exércitos de cinco reis mouros. As hostes inimigas pareciam-lhe infindáveis. Em desespero, retirou-se para um local fechado, um simples espaço em que pudesse descansar. Minutos depois surgiu-lhe um misterioso idoso que o convidou a sair para o exterior e olhar o céu. Quando o fez, Afonso Henriques viu Cristo Crucificado entre inúmeras hostes de anjos, e este prometeu-lhe que venceria a dura batalha do dia seguinte, como veio a acontecer, com palavras como as seguintes [preservadas pelo Padre António Vieira]:

Eu sou o fundador e destruidor dos reinos e dos impérios, e quero em ti, e nos teus descendentes, fundar um império para mim, pelo qual o meu nome seja levado às nações estrangeiras.
(...)
Vencereis, vencereis, e não sereis vencido. Sois amado de Deus, porque pôs sobre vós e sobre vossa descendência os olhos de sua misericórdia até à décima-sexta geração, na qual se atenuará a mesma descendência, mas nela atenuada tornará a pôr seus olhos.

Em gesto de agradecimento, depois o rei colocou cinco quinas na sua bandeira, em homenagem aos cinco grandes reis mouros então derrotados na grande batalha de Ourique.

 

Quem seria o misterioso idoso, que apareceu a Afonso Henriques na Batalha de Ourique? Porque insistiu para que o milagre fosse exibido no exterior? Não sabemos a resposta à segunda pergunta, mas em relação à primeira a identidade da figura parece variar mediante as versões, podendo tratar-se de um qualquer santo ou até do próprio Jesus Cristo.

 

Agora, esta até podia ser a grande lenda da fundação de Portugal, que permitiria ver a independência como um desejo divino e Afonso Henriques como o grande timoneiro dos destinos de Portugal, mas... estragando um pouco a proverbial festa, é também uma lenda que só aparece em fontes escritas já no século XV, ou seja, mais de 300 anos após o suposto evento. É pouco provável que tenha um fundo de verdade, mas não deixa de ser uma belíssima lenda da fundação do nosso país, que teve um momento muito fulcral nesta Batalha de Ourique.

Gostas de mitos, lendas, livros antigos e muitas curiosidades?
Recebe as nossas publicações futuras por e-mail - é grátis e irás aprender muitas coisas novas!
05 de Fevereiro, 2020

O Quinto Império e o Padre António Vieira

Quando se pensa na ideia de Portugal como um Quinto Império, hoje popularizada tanto na Mensagem de Fernando Pessoa como em outras obras literárias, deveria pensar-se não só em Bandarra, de que já cá falámos anteriormente, mas também na grande figura do Padre António Vieira, talvez até a que mais contribuiu para essa ideia. Agora, se o famoso autor aborda esse tema em diversas das suas obras - recorde-se que até escreveu um livro com esse título - talvez um dos mais fascinantes seja aquele com que nos deparámos recentemente, de título História do Futuro.

Uma obra do Padre António Vieira sobre o Quinto Império

O livro, que hoje se pode encontrar publicado somente numa forma incompleta e censurada, baseia-se, em conceito, numa ideia absolutamente fascinante - talvez até, para sermos sinceros, uma das mais fascinantes que já passaram por este espaço. E ela consiste em escrever não uma história do passado - como a são todas as outras, que por definição tratam das coisas que já aconteceram no mundo - mas em escrever uma história de tudo aquilo que ainda está por acontecer, nomeadamente a ascensão de Portugal como o grande Quinto Império deste mundo. E o país chegaria então a esse lugar cimeiro com a ajuda de... e é aqui que a proverbial porca torce o rabo, porque o viria a fazer com a ajuda de alguém cuja identidade desconhecemos*!

Na edição mostrada acima, no exacto momento em que o autor ia revelar essa informação faltavam pelo menos quatro páginas. Partimos em busca delas, mas acabámos por notar que estão ausentes em todas as edições da obra. E depois, quem prestar atenção à capa acima poderá, igualmente, notar a estranha referência a este como um livro anteprimeiro, ou seja, uma espécie de prequela da verdadeira História do Futuro, que já não nos chegou excepto em escassos fragmentos.

 

O que aconteceu ao resto da obra? Não sabemos, excepto no facto de que a Inquisição teve acesso a alguns capítulos que não nos chegaram, quando levou o famoso autor ao seu tribunal. É por isso possível que o Padre António Vieira até tenha composto uma versão mais completa, potencialmente acabada e em sete livros, mas que nunca foi publicada e não nos chegou. Por esta breve composição, na forma como a temos hoje, entende-se que propunha uma obra baseada em perguntas e respostas, e que apresentava Portugal como o Quinto Império através de profecias bíblicas e compostas por autores mais recentes, entre as quais se contaria certamente a da Batalha de Ourique, em que Cristo revelou a Afonso Henriques a glória futura de Portugal.

 

Mesmo na ausência desta obra, sabemos que a ligação entre o Padre António Vieira e o Quinto Império foi forte e muito concreta. Foi ele um dos principais autores a propô-la, indubitavelmente o mais famoso até Fernando Pessoa, com um misterioso monarca português e o papa (em Roma) como seus grandes governadores, mas... até à data de hoje acabou por não se concretizar. Será que um dia Portugal lá acabará por se tornar esse grande império profetizado em obras como aquela que hoje aqui apresentamos? Parece difícil, mas como também se costuma dizer, "o futuro só a Deus pertence" e "o futuro o dirá".

 

*- Na sequência de uma outra obra, foi perguntado ao Padre António Vieira pela Inquisição a identidade do rei português que viria a comandar o Quinto Império. As respostas merecem ser mostradas directamente aqui:

O Padre António Vieira e o Quinto Império

Questão Quinta: Se El-Rei de Portugal há-de ser El-Rei D. Sebastião?
Negativo.

Questão Sexta: Se o dito Rei de Portugal há-de ser El-Rei D. João?
Problema.

Questão Sétima: Se El-Rei de Portugal há-de ser El-Rei D. Afonso, ou o Infante D. Pedro?
Vejo subir um Infante no alto de todo o sonho.

Ou seja, se ele acreditava num império desta natureza para Portugal, também parece indicar, por estas respostas que deu à Inquisição, que o seu monarca, o Encoberto, não seria D. Sebastião ou D. João IV, mas sim e provavelmente D. Pedro ("II"), mais do que D. Afonso ("VI").

Gostas de mitos, lendas, livros antigos e muitas curiosidades?
Recebe as nossas publicações futuras por e-mail - é grátis e irás aprender muitas coisas novas!