Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Mitologia em Português

08 de Maio, 2020

A oração de Santa Bárbara que afasta as trovoadas

A oração de Santa Bárbara que afasta as trovoadas, também conhecida de uma forma mais geral como oração para acalmar as trovoadas (entre muitos outros nomes possíveis), já foi muito famosa em outros tempos, mas hoje é um perfeito exemplo de algo que nos incomoda e entristece bastante, o facto de cada vez menos pessoas terem interesse na cultura dos seus antepassados. Passamos a explicar. Como bem se sabe, cada um dos santos cristãos é padroeiro de "algo". O que já menos pessoas saberão é que existem um conjunto de orações que permitem - quase como se de pequenos rituais mágicos se tratassem - invocar a ajuda de um determinado santo ou santa. Em muitos casos essas orações têm pequenas variações de local para local, mas são quase sempre em verso (o que facilitava a sua memorização) e mencionam um propósito mágico. Por exemplo, Santa Bárbara [de Nicomédia] é a padroeira das trovoadas e tempestades, pelo que a sua ajuda podia ser pedida com a seguinte oração de Santa Bárbara, bem conhecida no norte de Portugal:

Santa Bárbara bendita
Se vestiu e se calçou,
Ao caminho se botou
A Jesus Cristo encontrou;
E Jesus lhe perguntou:
- "Tu, Bárbara, onde vais?"
- "Vou espalhar as trovoadas
Que no céu andam armadas,
Lá na serra do Marão,
Onde não haja palha nem grão,
Nem meninos a chorar,
Nem galos a cantar."

A oração a Santa Bárbara, que acalma e afasta as trovoadas

Um outro exemplo associado à mesma figura, uma oração de Santa Bárbara com alguns contornos semelhantes, mas de outro local distinto, pode ser igualmente lida abaixo:

Santa Bárbara se alevantou
Seu pézinho direito calçou
Nossa Senhora encontrou
Esta lhe perguntou
- "Onde vais Santa Bárbara?"
- "Vou espalhar a trovoada
Que no céu anda armada."
- "Espalha-a lá para bem longe
Onde não haja perca nem vinho
Nem flor de rosmaninho."

Este terceiro exemplo foi-nos contado oralmente, por uma idosa de 84 anos cuja mãe a tinha lido "num livro com capa de papel, que [conforme também nos disse] depois ela perdeu":

Santa Bárbara Bendita
Que no Céu está escrita
"Onde Vais Santa Bárbara?"
"Vou espalhar esta trovada
Que por cima da gente anda armada"
"Espalha-a bem para bem longe,
Onde não haja pão nem vinho,
Nem flor de rosmaninho,
Nem os galos cantam,
Nem os anjos se levantam."
Para sempre, Amém, Jesus.

 

Um quarto e último exemplo, para se mostrar que esta santa não era um caso único. A associação de São Bento [de Núrsia] ás cobras e serpentes está bem presente nestes versos de uma oração, cujo objectivo principal é muito claro:

São Bento, água benta!
Jesus Cristo no altar!
As cobras deste caminho
Afastem que eu vou passar!

 

Há cerca de trinta anos ainda existiam pessoas que conheciam bem estas orações de cor. Hoje, quando ainda se lembram deles, é de uma forma muito fragmentária. Mais ano, menos ano, serão todos eles esquecidos, e assim se perderá mais uma pequena parte da cultura portuguesa...

Gostas de mitos, lendas, livros antigos e muitas curiosidades?
Recebe as nossas publicações futuras por e-mail - é grátis e irás aprender muitas coisas novas!
08 de Maio, 2020

Viagem (virtual) a dois Criptopórticos de Portugal - Lisboa e Coimbra

Galerias Romanas

Para os mais curiosos, ou apenas aqueles que não querem passar horas e horas numa fila para poderem visitar as Galerias Romanas da Rua da Prata, em Lisboa, podem fazer uma visita virtual ás mesmas neste link [entretanto removido].

 

Contudo, como já cá foi referido no passado, Portugal tem também um outro criptopórtico - muito maior e mais acessível - em Coimbra, por baixo do Museu Nacional Machado de Castro. Também esse pode ser visitado virtualmente (mas de uma forma incompleta, aparentemente com um único nível acessível no sistema), usando o sistema abaixo. A entrada seria normalmente feita pelas escadas do lado esquerdo, existindo um outro nível acima deste:

Como é fácil perceber através de uma exploração pessoal deste segundo espaço, é muito maior que o anterior e tem muito mais para se ver, não só pela curiosidade mas também porque contém diversos vestígios arqueológicos expostos no seu interior.

 

[Editado: Nas últimas horas o conteúdo do link para as Galerias da Rua da Prata foi removido. Apesar do link original ainda estar mencionado aqui, ele já não funciona...]

Gostas de mitos, lendas, livros antigos e muitas curiosidades?
Recebe as nossas publicações futuras por e-mail - é grátis e irás aprender muitas coisas novas!
07 de Maio, 2020

Livros de (e para) uma pandemia

Decameron

Há já alguns dias vieram-nos pedir sugestões de leitura para estes estranhos tempos de uma pandemia em que agora vivemos. A pessoa estava fechada em casa e queria algo de inesperado, de novo, para ler. Muitas poderiam ser as sugestões de leitura, mas recordámo-nos que essa precisamente a trama do Decameron de Boccaccio (ou "Decamerão", se preferirem).

Nessa obra, e como já mencionámos em 2018, tem lugar uma trama que nos poderia parecer, à partida, muito pouco verosímil - "com a intenção de escapar a uma praga, 10 pessoas reúnem-se durante duas semanas e partilham uma centena de histórias". Infelizmente não encontrámos qualquer tradução portuguesa da obra que esteja em domínio público, mas ela pode ser encontrada gratuitamente em Espanhol, Francês, Inglês ou Italiano, entre outras línguas.

 

Para quem até já a tiver lido, pode encontrar muitos outros livros totalmente grátis em Francês, em Inglês e em Português em três sites que sempre nos pareceram interessantes.

Gostas de mitos, lendas, livros antigos e muitas curiosidades?
Recebe as nossas publicações futuras por e-mail - é grátis e irás aprender muitas coisas novas!
07 de Maio, 2020

Os números e a lenda da morte de Hípaso de Metaponto

Matemáticas

De uma forma muito simplista, os números podem ser divididos em naturais, racionais e irracionais. Os primeiros são "naturais" porque ocorrem na natureza - temos na mão duas maçãs, um bordão, um livro, dez pequenas pedras, etc. Os segundos são "racionais" porque nascem de uma aplicação da razão humana aos primeiros, i.e. se quisermos dividir duas maçãs por cinco amigos temos de recorrer a eles. Já os terceiros são "irracionais" porque na aplicação desses dois grupos podem surgir números que não são completamente exprimíveis pela razão humana, e.g. a constante necessária para calcular a área de um círculo. Agora, se os dois primeiros são de tempos imemoriais, aos terceiros já podemos associar uma pequena lenda do tempo da Grécia Antiga.

 

Esta diz-nos que o terceiro grupo foi descoberto pelos Pitagóricos, colectivamente, ou apenas por Hípaso de Metaponto, um dos seus membros. Quando é atribuído apenas a esta segunda figura, é-nos apontado que quando meditava nos possíveis resultados da aplicação da fórmula do chamado "Triângulo de Pitágoras" se deparou com um enorme problema - se um triângulo tiver dois lados iguais de comprimento 1, qual será o tamanho da sua hipotenusa? Como exprimir esse número, que não era natural nem racional?

Ao considerar questões matemáticas como estas e muitas outras, Hípaso interrogou-se e divulgou aquilo que eram considerados segredos exclusivos dos deuses omnipotentes. E então, segundo a lenda, a húbris das suas acções conduziu-o à sua morte, afogando-se como punição dos deuses ou dos homens seus companheiros.

Gostas de mitos, lendas, livros antigos e muitas curiosidades?
Recebe as nossas publicações futuras por e-mail - é grátis e irás aprender muitas coisas novas!
07 de Maio, 2020

A lenda da Mina de Ouro Perdida de Dutchman

A lenda da Mina de Ouro Perdida de Dutchman é, segundo sempre nos foi dito, talvez uma das mais famosas dos Estados Unidos da América. É relativamente recente - data de meados do século XIX - mas nem por isso menos interessante, até porque nos apresenta uma história muitíssimo simples, mas com um apelo enormíssimo para o público em geral, até dado o que promete a todos aqueles que conseguirem acreditar nela.

A lenda da Mina de Ouro Perdida de Dutchman

Esta lenda da Mina de Ouro Perdida de Dutchman conta-nos então que Jacob Waltz, um imigrante alemão nascido em 1810, se fixou no estado ao Arizona e encontrou na zona das chamadas Montanhas Supersticiosas uma mina com uma quantidade de ouro quase infindável. Agora, se essa parte de toda a história parece estar bem atestada nas fontes da época, o grande problema é que ele acabou por falecer em 1891 sem nunca ter divulgado a absolutamente ninguém a localização da sua mina. E então as pessoas começaram a procurá-la... e foram procurando por ela até aos nossos dias de hoje!

 

É, pura e simplesmente, esta a história associada a Jacob Waltz e à Mina de Ouro Perdida de Dutchman, mas ela levanta diversas questões:

Afinal, quem era o "Dutchman" que deu nome a toda a lenda? Esse era, na verdade, o nome dado na altura aos imigrantes europeus que vinham da zona da Alemanha, como era o caso de este Jacob Waltz. Porém, que a lenda esteja associada à sua nacionalidade, mais do que à sua pessoa em concreto, leva a crer numa potencial fusão de histórias, e sabe-se que existia, na verdade, uma anterior a esta, de um outro "Dutchman", já esse sem nome, que faleceu num deserto da região e foi encontrado com muito ouro em sua posse.

Depois, porque têm estas montanhas o nome de "Supersticiosas"? Essencialmente porque ao longo do tempo parecem ter existido diversas lendas associadas às diversas montanhas existentes na região, de entre as quais a mais recente é aquela de que cá falamos hoje. Visto que os habitantes locais tinham um medo muito significativo de toda a zona - ou talvez lhe possamos chamar respeito? - elas ficaram conhecidas como as "Montanhas da Superstição", por se encontrarem ligadas a todo um conjunto de situações que, para quem não era nativo da região, provavelmente soavam a meras fantasias dos seus habitantes.

Jacob Waltz, o Dutchman

E, ainda... será toda esta história verdade? Será que Jacob Waltz existiu, e encontrou verdadeiramente as grandes minas de ouro que estão hoje associadas ao seu nome? A resposta é claramente positiva em relação ao primeiro ponto (acima até pode ser vista uma fotografia que se pensa ser dele), mas já em relação ao segundo as coisas não são tão simples. Existem diversas versões de toda esta história, como é comum em lendas que foram sendo repassadas de uma forma oral, mas algo em que todas elas insistem é que este homem tinha muito ouro e ninguém parecia saber de onde ele vinha. Se encontrou tanto ouro como a lenda dizia, se encontrou uma soma mais pequena, ou se o obteve de alguma outra forma, só o próprio o soube, e parece nunca o ter dito a ninguém de uma forma completamente convincente.

 

Para terminar, será então esta lenda da Mina de Ouro Perdida de Dutchman verdade? Ou, fazendo uma questão bem mais precisa, será que temos alguma prova real da existência de uma mina nas chamadas Montanhas Supersticiosas cujas muitas riquezas ainda estão por descobrir? Na verdade... não, não temos qualquer prova disso mesmo, mas apenas diversas versões de um evento que se presume, sem certezas, ter sido real. E, por isso, procurar por esta mina nos EUA é como tentar encontrar a Ilha Encoberta do tempo dos nossos avós...

Gostas de mitos, lendas, livros antigos e muitas curiosidades?
Recebe as nossas publicações futuras por e-mail - é grátis e irás aprender muitas coisas novas!
06 de Maio, 2020

Os poemas de Sidónio Apolinário

Um vitral que mostra este bispo e santo

Sidónio Apolinário foi um autor cristão do século V, de nacionalidade francesa (nasceu em Lugduno, hoje Lyons). Chegou a santo, e por razões como essa seria fácil presumir que os seus trabalhos fossem de natureza religiosa. Porém, de uma forma um tanto ou quanto inesperada, os seus poemas - ou Carmina - contêm bastantes referências mitológicas (e algumas históricas, acrescente-se), apesar de serem significativamente limitadas - o autor refere os mesmos mitos uma e outra vez, até de formas semelhantes. Por exemplo, numa dada altura ele resume o mito de Hércules da seguinte forma:

 

Não irei aqui embelezar os trabalhos de Hércules, a quem o javali, o leão, o Gigante, a Amazona, o visitante, o touro, Erix, os pássaros, Lico, o ladrão, Nesso, o Líbio, os jugos, as maçãs, a virgem, a serpente, o Monte Eta, os cavalos da Trácia, as vacas da Ibéria, o rio lutador, o cão de três formas e o carregamento do céu deram a fama.

 

Claro que quem conhecer os mitos do famoso herói saberá reconhecer estas referências, e ver até um certo charme nelas, mas quando um mesmo autor se refere ao herói de forma muito semelhante em vários outros poemas, a novidade e beleza do original depressa se perde. Mas, por outro lado, a obra também tem alguns momentos mais notáveis, como quando na sexta composição nos descreve o nascimento da deusa Atena.

 

É um obra interessante? Dificilmente; talvez seja mais correcto dizer-se que tem alguns momentos interessantes, aqui e ali, mas que o uso que Sidónio Apolinário faz dos mitos da Antiguidade já não é o mesmo dos autores dos séculos anteriores, na medida que os temas que tinha acessíveis poderão parecer, a um leitor mais informado, significativamente limitados e, por isso, um tanto ou quanto repetitivos.

Gostas de mitos, lendas, livros antigos e muitas curiosidades?
Recebe as nossas publicações futuras por e-mail - é grátis e irás aprender muitas coisas novas!
05 de Maio, 2020

A "Torre de Pedro Sem" e a respectiva lenda

A breve viagem de hoje leva-nos ao Porto, mais precisamente à Rua da Boa Nova, número 52, em que existe uma tal Torre de Pedro Sem - uma pequena torre acastelada, semelhante a uma torre de menagem (), que nos nossos dias continua a ser associada ao nome desta figura lendária, mas que também é conhecida pelo nome de Torre da Marca:

A Torre de Pedro Sem

A existência deste local, e da própria personagem a que se ficou a dever o nome de Torre de Pedro Sem, poderiam levar-nos a um caminho em que lenda e realidade se entrecruzam repetidamente, mas o que nos interessa hoje e aqui é somente a breve história portuense que se associa a ela. Vamos a isso.

 

Pedro Sem era uma personagem portuense, possivelmente do século XVI, que ganhava muito dinheiro a não fazer quase nada - tinha bastantes propriedades alugadas, emprestava dinheiro a juros elevados e possuía navios que lhe traziam muitas riquezas de terras do ultramar. Um dia, estando no topo da sua torre com a esposa e alguns amigos, viu ao de longe os seus navios prestes a chegarem à cidade. Risonho e sem qualquer pudor, por três vezes repetiu que agora nem mesmo Deus o poderia tornar pobre.

Porém, certamente que Deus não deixaria passar um tal ultraje sem punição. Momentos depois, o dono da Torre de Pedro Sem viu os seus navios afundarem-se no Douro; passados alguns dias as suas muitas propriedades arderam sem explicação; e, finalmente, as riquezas que guardava nesta sua - agora famosa - torre foram roubadas durante a noite. As estas grandes punições se seguiram outras, mais pequenas mas igualmente causadoras de sofrimento, até que o herói caiu na mais completa ruína. E então, nesse seu tempo podia ser visto pelas ruas do Porto, pedindo esmola a quem passava e repetindo, como um louco, sempre e somente a mesma frase - "Dai uma esmola a Pedro Sem, que tudo tinha e agora nada tem..."

Gostas de mitos, lendas, livros antigos e muitas curiosidades?
Recebe as nossas publicações futuras por e-mail - é grátis e irás aprender muitas coisas novas!
04 de Maio, 2020

A casa assombrada mais famosa de Portugal, e o Castelo do Estoril

Há alguns dias, quando falámos de um mito urbano português, na brincadeira uma leitora levantou a possibilidade de se tratar de um esquema maluco de alguma agência imobiliária. Até é possível que sim, mas aproveitamos essa deixa e contamos o mito por detrás daquela que será provavelmente a casa assombrada mais famosa de Portugal.

 

Quem viver na zona de Lisboa e cruzar a Avenida Marginal no sentido Cascais -> Oeiras poderá encontrar, entre as zonas de São João e São Pedro do Estoril, uma pequena casa amarela, vulgarmente conhecida como o Castelinho de São João do Estoril. Diz o mito que é assombrado - por perto existia uma escola de cegos (o edifício entretanto já foi reconvertido), e é então dito que numa dada altura uma estudante desse local caiu ao mar e agora assombra o belo castelinho que se encontra por perto. Será verdade? Há uns anos considerámos comprar o local, e aquando de uma visita inquirimos sobre essa história; a funcionária da imobiliária riu-se, disse que era uma questão de crença, mas nunca confirmou - ou desmentiu - os episódios fantasmagóricos. Por isso, quem tiver curiosidade poderá ler toda a história do local aqui, antes de tentar formar a sua própria opinião.

 

Entretanto, já que estamos com a proverbial mão na massa, achámos que podíamos contar a história de outro "castelo" na mesma zona.

O "castelo" do Estoril

Quando se pretende promover a região da Costa do Estoril é usada frequentemente uma imagem do local acima, uma espécie de castelo que pode ser encontrado próximo da praia. Conhecido como Palacete Barros, foi construído sobre as ruínas de um antigo forte por um pai que queria que a sua jovem filha, doente, frequentasse umas termas que na altura existiam por perto. Porém, o preço desta construção acabaria por se revelar tão elevado que o seu dono foi levado à falência... e o que aconteceu à sua filha? Será que também ela hoje assombra o local...? Seria preferível que o fizesse, face à utilização actual do espaço...

Gostas de mitos, lendas, livros antigos e muitas curiosidades?
Recebe as nossas publicações futuras por e-mail - é grátis e irás aprender muitas coisas novas!
04 de Maio, 2020

O que significa "nolite te bastards carborundorum"?

Há já alguns tempos que nos vieram perguntar o significado de nolite te bastards carborundorum, uma frase que aparece na série The Handmaid's Tale (ou, em Português, A História de Uma Serva), e que, a uma primeira vista, parece estar em Latim, mesmo quando bastardes é lido incorrectamente como bastards. Assim sendo, qual é a tradução desta expressão?

Nolite te bastards carborundorum na série...

Não conhecemos a série, não sabendo portanto em que medida a língua latina compõe, ou não, uma parte significativa da sua trama (se algum leitor souber isso, por favor deixe essa informação ali nos comentários), mas podemos, antes de mais, deixar claro que esta não é uma frase ou uma ideia provinda dos tempos da Antiguidade, da Idade Média, ou até do Renascimento, ao contrário de muitas das que falamos por cá. E isso torna-se particularmente importante porque, apesar de ser uma construção semi-latina, ou seja, uma frase com palavras em Latim e outras completamente inventadas, não tem qualquer significado real na sua tradução.

 

Nolite significa "recusai". Te significa "a ti". Mas o que dizer das restantes palavras, que não aparecem em qualquer dicionário de Latim? Bastardes é muito semelhante ao Inglês "bastards", ou seja, "bastardos". Mas... e carborundorum, o que significa...?

Felizmente, desta vez temos parte do nosso trabalho facilitado - numa entrevista, a autora Margaret Atwood como que confirmou que a frase não significava nada, era uma espécie de piada, mas que deveria significar algo como "don’t let the bastards grind you down", que pode ser adaptado nesse contexto original como "não deixem os bastardos afectarem-vos". E, em casos como estes, a palavra da autora basta-nos, porque ela saberá a sua intenção melhor do que cada um de nós!

Gostas de mitos, lendas, livros antigos e muitas curiosidades?
Recebe as nossas publicações futuras por e-mail - é grátis e irás aprender muitas coisas novas!
03 de Maio, 2020

A lenda da Cuca, Coca e Coco

A figura conhecida em Portugal e no Brasil como Cuca, Coca ou Coco é tudo menos simples. Na verdade, há meses e meses que pretendemos falar da sua lenda, mas deparámo-nos repetidamente com um problema, que é o facto de existirem diversas criaturas com este nome, que nem sempre são fáceis de sintetizar ou interligar. Por isso, já que agora estamos a falar de alguns temas da Mitologia do Brasil, achámos que esta figura seria perfeita para uma breve referência ao tema. Pergunte-se então - quem é a figura conhecida sob estes vários nomes?

Uma Cuca, Coca ou Coco

Uma primeira versão da lenda da Cuca, ou Coca, faz dela uma mulher misteriosa com que os pais assustavam os filhos, uma espécie de "papão". E, como este, também não parece ter qualquer lenda associada, sendo uma figura quase fantasmagórica, sobre a qual absolutamente nada se sabe. Porém, podemos deixar uma curiosidade - quando usamos a expressão "estar à coca", essa é uma referência ao acto principal desta figura, que se escondia e espreitava pelas crianças, aguardando que estas adormecessem.

A segunda Cuca é uma espécie de dragão associada ao norte de Portugal e de Espanha, que segundo a lenda foi derrotada pelo próprio São Jorge ou pelos populares de uma qualquer vila nortenha. Esta versão está hoje imortalizada, por exemplo, na festa portuguesa de Monção que pode ser vista no vídeo acima.

Uma Cuca, Coca ou Coco

A terceira lenda da Coca, ou Cuca, é a de uma figura brasileira que nos chegou especialmente atrás da obra de Monteiro Lobato, uma espécie de feiticeira nocturna que tem cara de jacaré e rapta crianças, bem conhecida dos leitores ou espectadores do Sítio do Picapau Amarelo.

 

Os mais atentos poderão ver na terceira figura uma espécie de fusão das duas anteriores, mas poderá tratar-se de uma mera coincidência. Que a figura brasileira deriva de alguma antiga lenda portuguesa é claro, mas infelizmente já pouco se sabe sobre os limites das outras duas para que se possa concluir algo de muito fiável - seriam elas originalmente uma só? Será que o dragão resulta de uma conflação de vários mitos anteriores, de uma possível tentativa de associar uma nova lenda a uma figura que ainda não tinha nenhuma? Será que eram, originalmente, figuras completamente distintas, que se foram fundindo em virtude da evidente semelhança dos seus nomes?

Não sabemos, sendo até possível que tenham existido outras figuras que partilhem este nome (ou algum outro semelhante a ele), e que entretanto foram sendo sendo esquecidas pelas pessoas - de facto, aquando da escrita destas linhas confrontámos várias pessoas em Portugal com o nome da Cuca (ou Coca, ou Coco), e nenhuma delas parecia saber do que falavamos...

Gostas de mitos, lendas, livros antigos e muitas curiosidades?
Recebe as nossas publicações futuras por e-mail - é grátis e irás aprender muitas coisas novas!