Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Mitologia em Português

Mitologia em Português

29 de Julho, 2020

Os Blémias e a divindade chinesa Xingtian

Já cá mostrámos anteriormente uma famosa gravura da Crónica de Nuremberga, em que podem ser vistos um conjunto de espécies que na Antiguidade e na Idade Média se acreditava popularem terras distantes. Até foi sobre elas que Santo Agostinho disse algo de muito fascinante - ele não sabia se existiam mesmo, mas a existirem, se fossem humanas só poderiam ter descendido de Adão e Eva. Recorde-se, nesse sentido, a imagem anterior:

Algumas criaturas antigas

A mais famosa destas figuras é certamente o Ciclope, com um único olho no meio da testa, mas estão aqui igualmente os Ciápodes (também conhecidos como Monópodes, com um único pé gigante, com que criavam a sombra para se defenderem do calor do deserto), um ser bicéfalo e um Cinocéfalo (ou seja, um ser humano com cabeça de cão, de que o São Cristóvão Cinocéfalo dos cristãos ortodoxos é hoje o exemplo mais famoso - uma história que fica para outro dia). Na obra original até existem mais algumas outras criaturas, mas o que nos interessa hoje é precisamente a figura que ainda não nomeámos, a segunda a contar da direita, um representante da espécie dos Blémias. Era, essencialmente, um ser humano sem cabeça, com as características faciais em pleno peito, que um qualquer autor anterior a Heródoto - a nossa primeira fonte completa que atesta a sua existência - dizia ter visto numa terra distante.

 

Isto pode levar-nos a uma questão... será que os viu mesmo, de alguma forma mais inesperada? É muito possível que sim, por estranho que isso nos possa parecer.

Xingtian

Enquanto liamos alguns mitos da China encontrámos uma história antiga associada a uma figura chamada Xingtian, que aparece representada acima num desenho do século XVII. Essencialmente, era uma figura divina que desafiou o deus supremo; este venceu-a facilmente, como não poderia deixar de ser, chegando até ao ponto de lhe cortar a cabeça. Mas, depois, algo de muito inesperado teve lugar - mesmo sem cabeça, utilizando apenas o seu peito como uma nova face, Xingtian continuou o seu combate, tal era o seu espírito guerreiro!

 

A semelhança dos Blémias com a figura deste Xingtian é muito notável, sendo até possível que tenham partilhado uma origem. Será que algum europeu trouxe esta figura da China para a Europa? Será que algum chinês teve contacto com a figura lendária europeia? Não sabemos - a tê-lo feito, seria certamente muito antes da era cristã - mas isto levanta a possibilidade de que possa ter existido uma altura, ou um mito perdido, em que os Blémias até ainda tinham cabeça - como Xingtian, também eles eram guerreiros ferozes. Claro que o caso em favor de toda esta possibilidade é todo muito circunstancial, mas pergunte-se uma coisa - será que conhecem muitas figuras sem cabeça e com a face no peito? E isso pode dizer muito...

~~~~~~~
Gostas de temas como este? Podes seguir-nos no Twitter, no Facebook (novo), ou receber as nossas novidades no teu e-mail de uma forma simples, rápida e gratuita!


28 de Julho, 2020

Os "Protocolos dos Sábios de Sião"

Seguindo o tema de domingo passado, por outro lado existem textos que já há muito que deveriam ter desaparecido. Um deles é conhecido por Protocolos dos Sábios de Sião, ou simplesmente por Protocolos de Sião. Claro que poderá parecer estranho que se advogue também uma censura deliberada de alguns textos, mas quem já conhecer o conteúdo desta pequena obra depressa compreenderá a razão para tal - é talvez o mais abominável de todos os textos anti-semitas que chegaram aos nossos dias, essencialmente dando a entender que existe uma conspiração judaica para controlar todo o mundo, chegando ao ponto de ter inspirado Adolf Hitler para muitas das suas acções.

Capa do original desta obra, na versão russa

Quem for ler o texto - não recomendamos, é uma perda de tempo - poderá notar que se refere a uma conferência que supostamente teve lugar, e onde alguns eminentes judeus discutiram o seu plano maquiavélico para controlar o mundo - e é nesse contexto que o texto é demasiadas vezes utilizado, para justificar perseguições como as da Segunda Guerra Mundial - mas quem for ler o mesmo texto de forma crítica poderá aperceber-se que estes Protocolos dos Sábios de Sião são completamente falsos, e criados na Rússia numa altura em que se perseguiam os judeus, de forma a legitimizar, para o público mais geral, o quão justa essa perseguição era, numa espécie de horrenda bipolaridade, "são eles... ou nós!"

Como sabemos que é tudo falso? Desde conter o uso de expressões que nenhum Judeu utilizaria, até ideias e frases completamente plagiadas de fontes literárias tão famosas como as obras de Montesquieu e Maquiavel, num dado instante chega mesmo a mencionar o deus indiano Vishnu (porque o faria algum crente do Judaísmo?!), entre outras coisas que qualquer pessoa minimamente inteligente não poderá deixar de notar, só não vê essa falsidade quem não o quiser ver.

 

Estes Protocolos de Sião são, assim, uma espécie de fake news, urdida para semear o ódio perante uma dada religião, e só é pena que muitos tenham sido aqueles que no passado não conseguiram ver a verdade por detrás do documento. Há muito que deveria ter sido exposto pela grande falsidade que é, em vez de pela ilusão que foi causando ao longo das décadas...

~~~~~~~
Gostas de temas como este? Podes seguir-nos no Twitter, no Facebook (novo), ou receber as nossas novidades no teu e-mail de uma forma simples, rápida e gratuita!


26 de Julho, 2020

A Negação do Holocausto e a censura dos nossos dias

Há alguns dias entregaram-nos um livro curioso. Intitulado Did Six Million Really Die?, foi-nos dito que tinha sido proibido em vários países por "negar o Holocausto", ou seja, supostamente porque defendia a ideia de que não morreram Judeus nos campos de concentração alemães na Segunda Guerra Mundial. A qualquer pessoa minimamente sana essa ideia da negação (ou negacionismo) do Holocausto parecerá uma abominação, e ela certamente defenderá com unhas e dentes a necessidade de remover deste mundo tais "lixos", mas... o que raramente parece ser feito é ler esses textos antes de os submeter a uma tão medonha censura.

Capa deste livro

Por exemplo, no caso deste Did Six Million Really Die?, o livro jamais nega que o Holocausto tomou lugar. Questiona, isso sim, é que os números muitíssimo repetidos - i.e. os tais seis milhões de mortos exclusivamente judeus - sejam verdade. E, se alguém a lesse efectivamente, é uma obra que dá que pensar; por exemplo, num dado instante cita uma entrevista curiosa, em que se confrontam duas pessoas que estiveram num mesmo campo de concentração e que escreveram livros sobre as suas experiências. Uma diz que existia lá um fornalha em que eram mortas incontáveis pessoas, a outra diz que não viu nada disso... e quando essa segunda confronta a primeira, ela admite que também não viu nada disso, mas que "ouviu falar", e que tendo ouvido falar, achou que ficava bem mencionar isso no seu livro, como se até fosse algo que viu mesmo com os seus próprios olhos.

 

Naturalmente que sabemos que a história é sempre escrita pelos vencedores, mas há um enorme perigo em se fazer este tipo de censura, porque dá muito a sensação de que se tem algo a esconder, em vez de se permitir que os outros possam defender as suas próprias ideias, mesmo que se afastem das da maioria. Quer dizer, todos gostamos muito de dizer que vivemos em liberdade, que já não existe censura, que podemos dizer o que quisermos... mas depois, quem procurar verdadeiramente pelo tema, acaba por se aperceber que existem efectivamente um conjunto de obras literárias cujo acesso continua a ser vedado ao público, de que a obra de hoje é um bom exemplo. Existem muitas outras, mas se ali o Sapo já censura este espaço e o impede de aparecer nos seus registos de publicações recentes, certamente que ainda mais nos viria a censurar se fossemos falar mais abertamente de temas como esses e referissemos especificamente que livros ainda hoje continuam proibidos em Portugal e no Brasil...

~~~~~~~
Gostas de temas como este? Podes seguir-nos no Twitter, no Facebook (novo), ou receber as nossas novidades no teu e-mail de uma forma simples, rápida e gratuita!


24 de Julho, 2020

As "Jatakas", de autoria desconhecida

Exemplos de Jatakas

As Jatakas, ou Histórias Jataka, de autoria desconhecida, são uma compilação de histórias provindas da Índia. No entanto, por comparação com um texto como o Panchatantra, apresentam uma característica muito curiosa, na medida em que as diversas histórias são todas incluídas em relatos sobre a vida de Buda. Passamos a explicar.

Segundo as crenças budistas a nossa vida é composta por um conjunto repetido de existências, cada uma delas supostamente um pouco melhor que a anterior. Nesse sentido, se o Buda atingiu o Nirvana enquanto vivia como Sidarta Gautama, isso supõe igualmente um conjunto de existências anteriores, em que aquele a que viriam a chamar "O Buda" passou por todo um conjunto de aventuras. O que os Jatakas fazem é ligar essas aventuras anteriores à figura do Buda existente num tempo que lhe era o presente, seguindo um padrão previsível - surge uma qualquer questão ou problem no tempo presente, e o Buda refere-se à forma como causou, ou resolveu, uma situação semelhante numa vida anterior.

 

Sabemos que as histórias existiam antes dessa sua associação ao Buda, possivelmente até em forma oral, porque elas existem em outras compilações anteriores, mas isso não as torna menos interessantes. Bem pelo contrário, a presença desse contexto permite, de alguma forma, apresentar um conjunto de comentários que até enriquecem as histórias originais, tornando mais fácil compreendê-las e explorar melhor os diversos elementos particulares dos seus enredos.

 

Mas será que vale a pena ler estas Jatakas? Para os leitores ocidentais, podemos resumi-las como mais de 500 histórias semelhantes a fábulas, mas com a adição dos pequenos comentários a cada uma delas já referidos acima. E se essa ideia basilar vos intriga, sim, talvez devam efectivamente lê-las.

~~~~~~~
Gostas de temas como este? Podes seguir-nos no Twitter, no Facebook (novo), ou receber as nossas novidades no teu e-mail de uma forma simples, rápida e gratuita!


23 de Julho, 2020

16 anos que este espaço começou!

Bolo de Aniversário

Passou-se mais um ano e desta vez coube-me a mim a "honra" de escrever alguma coisa sobre este aniversário. Não sabia muito bem o que escrever, até que tive uma ideia - mais do que repetir o que já cá foi dito diversas vezes ao longo dos anos, eu gostaria, mais que tudo, de agradecer a todo e cada um dos leitores. Faço-o porque em dados momentos todos conseguimos compreender que pelo menos parte do nosso trabalho está a ser bem feito - há alguns dias houve uma trovoada aqui na zona de Lisboa e depressa recebemos vários visitantes que procuravam saber aquela oração de Santa Bárbara que afasta as trovoadas, que já nem sempre é fácil de encontrar. São momentos como esses que não podem deixar de nos fazer sentir um certo orgulho pelo trabalho que há mais de década e meia fazemos por aqui.

 

Será que, quando comecei a escrever estas linhas há todo esse tempo atrás, pensei que isto iria durar tanto tempo? Será que eu pensava continuar a escrever aqui passados todos estes anos? Não, claro que não, já há muito que eu teria quebrado, até pelo falecimento da minha melhor amiga (uma publicação que se optou por remover posteriormente), mas... se me pediram que continuasse, então com ajuda externa, tive e tenho de o fazer, porque se uma pessoa quiser saber mais sobre coisas como aquela oração e já não a conseguir encontrar, uma parte significativa do nosso conhecimento comum, enquanto humanidade, seria perdido... e isso seria triste, porque representaria uma perda de conhecimento completamente evitável.

 

Em suma? Quero, juntamente com os meus colegas, agradecer a todos os que lêem estas linhas, seja de uma forma continuada ou apenas porque uma busca por uma qualquer curiosidade os trouxe aqui. Em troca, apenas pedimos que caso o que leram vos interessar verdadeiramente, o partilhem também com outras pessoas - se escrevemos, é para todas e cada uma daquelas pessoas que nos vão visitando. Obrigado!

~~~~~~~
Gostas de temas como este? Podes seguir-nos no Twitter, no Facebook (novo), ou receber as nossas novidades no teu e-mail de uma forma simples, rápida e gratuita!


21 de Julho, 2020

A lenda de Houyi e o Sol

A semana passada contámos por cá uma lenda chinesa conhecida sobre o nome de Kuafu a perseguir o Sol. Por isso, achámos que também poderíamos começar esta nova semana com uma outra lenda do mesmo país, também sobre o Sol - a lenda de Houyi e o Sol, sendo que o seu herói tem diversos nomes, muitas vezes sendo apenas conhecido como Yi.

Houyi e os vários sóis

É-nos então contado que numa dada altura da história da humanidade existiam dez sóis no céu, cada um deles conduzido por um místico corvo de três pernas. Agora, se por estes dias um só sol nos faz tanto calor, é natural que dez causassem muito mais problemas. Assim, o herói - queriamos chamar-lhe Houyi, apenas Yi, ou qualquer outro nome - decidiu usar o seu arco e flechas para resolver o problema, matando nove dos portadores dos sóis, que depressa se apagaram e foram precipitados para a terra.

 

Existem as mais diversas versões desta lenda, que essencialmente lhe adicionam uma história de fundo e explicam o porquê de Houyi ter poupado um dos sóis, mas na sua forma mais sucinta pode ser contada como o fizemos acima. E, nesta forma, é uma lenda relativamente simples, que essencialmente tenta explicar o porquê de só existir um único sol no céu dos nossos dias. Se, cientificamente, agora sabemos que esta história não é verdade, não deixa de ser um curioso recordar das crenças de outros tempos, em que a humanidade parece ter sentido a necessidade de explicar aquilo que tinha maior dificuldade em compreender...

~~~~~~~
Gostas de temas como este? Podes seguir-nos no Twitter, no Facebook (novo), ou receber as nossas novidades no teu e-mail de uma forma simples, rápida e gratuita!


17 de Julho, 2020

Qual a origem do horóscopo chinês?

Já cá foi falado antes sobre a origem do zodíaco ocidental, e quem tiver lido esses outros artigos poderá compreender, sem muita dificuldade, que existia um conjunto de lendas, muitas vezes variáveis, associadas a cada um dos seus signos. Mas depois, ao ler um qualquer jornal dos nossos dias, por vezes podem ser encontradas, aqui e ali, muito breves referências ao horóscopo e signos chineses, sob alguma forma como a representada abaixo.

Exemplo de horóscopo chinês

Quem pensar um pouco no tema depressa se aperceberá que este sistema, como apresentado nos jornais portugueses, é falsamente demasiado redutor, porque dá a ideia de que todas as pessoas nascidas num determinado ano partilham um mesmo destino comum, algo de tão absurdo que nem nos iremos dar ao trabalho de o refutar aqui. Na verdade, além de um animal associado ao ano, os chineses também parece ter animais associados ao mês lunar, aos dias da semana e até ás horas do dia, num esquema curioso em que, por exemplo, das 9h ás 10:59h é a hora da cobra porque é nessa altura que se supunha que ela saía do seu antro, enquanto que já os dragões tinham a hora precendente - 7h ás 8:59h - porque se acreditava ser essa a altura em que esvoaçavam frequentemente nos céus para trazer a chuva, e assim por diante.

 

Agora, claro que isto é tudo muito bonito, mas... porquê aqueles doze animais? Porque não um gato, ou um leão, ou um panda? Qual a origem do horóscopo chinês? Será que existe alguma lenda por detrás dos signos chineses?

 

Na verdade, existe efectivamente uma lenda para justificar a presença de cada um destes animais entre os presentes nos 12 seleccionados. Se o contexto de toda a aventura tende a variar aqui e ali - algumas versões dizem que foi o Imperador de Jade, o deus dos deuses, que fomentou estes acontecimentos, mas outras atribuem-nos ao Buda - diz-se então que numa dada altura existiu uma enorme corrida entre todos os animais, e depois foram premiados com a sua colocação num calendário com base na ordem em terminaram a corrida. Dito assim, isto pode parecer muito pouco interessante - quem irá acreditar que, por exemplo, um boi é mais rápido que um dragão, ou que o cavalo é mais lento que a cobra? - mas o que torna essa lenda especialmente interessante é o facto de existirem pequenos episódios que explicam esses vários problemas.

A corrida dos animais

Por exemplo, se um gato até entrou na corrida, acabaria por se afogar num rio (um rato empurrou-o para a água), nunca chegando ao fim. O dragão até teria sido o primeiro a chegar, dada a sua velocidade e capacidade para voar, não fosse o facto de ter parado para dar chuva a uma aldeia e ter ajudado outro animal. O porco chegou em último lugar porque, como dificilmente poderia deixar de ser, parou pelo caminho para chafurdar na lama e comer tanto quanto podia.

 

É possível que, originalmente, estas pequenas lendas tenham sido criadas numa espécie de mnemónica, para que as pessoas pudessem mais facilmente lembrar-se da ordem dos signos, mas não deixam de ser menos curiosas ou interessantes, até porque nos explicam a origem do horóscopo chinês e contribuem para justificar a presença de apenas alguns animais entre os representados nos signos chineses. Por isso, deixamos até uma pequena sugestão - da próxima vez que olharem para um esquema dos signos chineses como aquele apresentado ali em cima, tentem pensar no porquê da sua ordem, e que aventuras terão tomado lugar entre os vários animais para que , por exemplo, o cão só chegasse depois da ovelha. Até porque isto daria uma actividade muito interessante para a pequenada...

~~~~~~~
Gostas de temas como este? Podes seguir-nos no Twitter, no Facebook (novo), ou receber as nossas novidades no teu e-mail de uma forma simples, rápida e gratuita!


15 de Julho, 2020

As Musas da Mitologia Grega (e o seu número)

Se o nome de musa é hoje associado quase exclusivamente a uma figura inspiradora das artes, a designação de Μοῦσαι vem das musas da Mitologia Grega. No seu geral, referia-se a um conjunto de irmãs divinas que eram uma espécie de padroeiras das artes, cada uma com um seu domínio individual. Mas quantas eram elas, qual era o seu número?

As Nove Musas

Por esta altura há sempre uma espertalhão que gostaria de poder gritar "nove, NOVE!", mas essa ideia vem essencialmente de Homero e de Hesíodo, que pelo facto de se tratarem daqueles dois poetas mais eminentes acabaram por ter um enorme impacto nos autores que se lhes foram seguindo. Porém, existiam também duas outras grandes opiniões, com alguns autores a dizerem que elas eram apenas três, enquanto que outros afirmavam que o seu número era sete. Tenha-se em atenção que em qualquer um dos casos tratam-se de números puramente simbólicos, sendo muito provável que a sua quantidade tenha nascido antes dos seus nomes e identidades individuais.

 

Deixando de parte essa ressalva, dada a fama dos dois grandes poetas épicos gregos o número das musas, como já foi dado a entender acima, tende normalmente a ser considerado como nove, com as seguintes identidades, que ao longo dos séculos se foram tornando mais ou menos estáveis:

  • Calíope tinha o controlo da Poesia Épica.
  • Clio, a da História.
  • Erato era associada à Poesia Lírica.
  • Euterpe era a patrona da Música.
  • Melpomene estava ligada à Tragédia.
  • Polímnia era a figura associada aos Hinos (i.e. a música para os deuses).
  • Tália, a que estava por detrás da Comédia.
  • Terpsícore associava-se à Dança.
  • Urânia, finalmente, era a regente da Astronomia.

 

Agora, certamente que seria muitíssimo interessante deixar aqui alguns mitos associados a cada uma dessas figuras, mas raramente os há. Na verdade, salvo uma ou outra excepção menor (por exemplo, segundo uma versão do mito foram elas que julgaram um concurso musical entre Apolo e Marsias), as referências a elas provêm normalmente ou de evocações (e.g. "Canta, ó Musa, a cólera de Aquiles..."), ou de referências genealógicas (e.g. Orfeu era tão bom na sua arte que só podia ser filho de Calíope). Nesse sentido, podemos dizer que as Musas da Mitologia Grega, mais do que figuras meramente mitológicas - em número de 3, 7 ou 9 - são, talvez mais que tudo, figuras simbólicas, como o Caos ou aqueles famosos 10000 deuses dos Romanos.

~~~~~~~
Gostas de temas como este? Podes seguir-nos no Twitter, no Facebook (novo), ou receber as nossas novidades no teu e-mail de uma forma simples, rápida e gratuita!


15 de Julho, 2020

"Em Busca do Sobrenatural", de Gan Bao

Um animal estranho

Gan Bao foi um autor chinês do século IV da nossa era. O que o torna digno de nota para estas linhas é uma obra que compilou e cujo título original pode ser traduzido como Em Busca do Sobrenatural, em que reporta muitos dos eventos ditos sobrenaturais que foram tomando lugar em terras da China ao longo dos anos. Agora, se essa ideia até nos poderá parecer interessante, a forma muito sucinta como o autor vai relatando a maior parte das ocorrências - mas frise-se que existem excepções, momentos em que ele até conta pequenas histórias com princípio, meio e fim - torna toda a obra muito maçuda. Por isso, nada como ver três pequenos exemplos do conteúdo da obra:

Além dos Mares do Sul existem sereios, que vivem na água e parecem peixes, mas eles sabem coser e tecer, e quando choram as suas lágrimas transformam-se em pérolas.

 

Uma dama que pertencia a Fu Han deu à luz um dragão, uma menina e uma pomba. O Comentário às Mudanças de Ching Fang diz "Quando alguém dá à luz alguma coisa nunca antes vista pelo Homem irão existir disputas no império."

 

Yu Tang foi caçar à noite, encontrou um enorme veado e acertou-lhe com uma flecha. O veado falou com voz humana, dizendo "Yu Tang, tu mataste-me!" Quando o próximo dia nasceu ele encontrou o veado e levou-o para casa. Quando chegou, Tang morreu imediatamente.

 

Pequenas sequências como estas até nos permitem saber mais sobre a cultura chinesa da época, e sem dúvida que nos deixam muitíssimas perguntas engraçadas/estranhas por responder, mas... será que os leitores dos nossos dias acham piada a ler "curiosidades" desta natureza durante mais de 200 páginas? Normalmente a resposta tende a ser negativa, acabando esta Em Busca do Sobrenatural, de Gan Bao, por ser uma obra melhor consumida em quantidades moderadas e por uma audiência muito específica.

~~~~~~~
Gostas de temas como este? Podes seguir-nos no Twitter, no Facebook (novo), ou receber as nossas novidades no teu e-mail de uma forma simples, rápida e gratuita!


13 de Julho, 2020

A lenda de Kuafu a perseguir o Sol

A lenda de hoje vem de terras da China e parece ser tão popular que existem múltiplos livros infantis chineses em que é recordada. Porém, serão provavelmente poucos aqueles que a conhecem em países lusófonos, razão pela qual achámos que a poderíamos contar nestas linhas.

Kuafu e o Sol

Kuafu era um gigante que numa dada altura da sua vida decidiu seguir o Sol. Segundo alguns fê-lo porque queria desafiá-lo para uma corrida, enquanto que outros dizem que ele queria era capturar esse astro celeste. Mas, independentemente dessa razão, Kuafu perseguiu o Sol durante dias e dias; pelo caminho, sentindo-se a desfalecer, foi bebendo as muitas águas dos muitos rios com que se cruzou, mas nem todos eles conseguiam afastar a sua sede. Então, cada vez mais cansado, acabou mesmo por falecer, enquanto que o Sol, esse, continuou o seu caminho como antes - impávido, sereno e inabalável.

 

Esta lenda parece ter gerado uma expressão proverbial entre os habitantes da China, definindo-se "Kuafu a perseguir o Sol" como alguém que se propõe a uma tarefa inatingível e em que tem demasiada confiança injustificada nas suas próprias capacidades. Claro que o gigante jamais poderia vencer o imenso poder do astro-rei, e talvez seja mesmo essa a lição a retirar desta lenda, a necessidade que todos temos de não nos propormos a tarefas demasiado inatingíveis.

~~~~~~~
Gostas de temas como este? Podes seguir-nos no Twitter, no Facebook (novo), ou receber as nossas novidades no teu e-mail de uma forma simples, rápida e gratuita!



Pág. 1/2