Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Mitologia em Português

23 de Novembro, 2020

Qual é a origem do Capuchinho Vermelho?

De entre os contos infantis conhecidos nos nossos dias é provável que poucos sejam tão fascinantes como o do Capuchinho Vermelho (também conhecido como "Chapeuzinho Vermelho" no Brasil). E é motivo de fascínio não pela sua agora-famosa aventura com o lobo, em si mesma, mas por toda uma história que existe por detrás da heroína. Ao longo dos séculos é possível encontrar as mais diversas versões da sua narrativa, cada uma delas mais estranha que a outra - ora uma versão em que a menina se despe para o lobo, numa estranha sessão de striptease; ora outra em que avó e neta são comidas (e não são salvas por ninguém...); uma em que o capucho tem poderes mágicos; uma em que o lobo é queimado vivo; juntamente com versões em que outros animais também entram na história; há alterações de todas as formas e feitios, mantendo-se, quase exclusivamente, o cruzamento desta jovem com um lobo. Mas, afinal, de onde vem toda esta trama? Qual é, na verdade, a origem do Capuchinho Vermelho?

A origem do Capuchinho Vermelho

Responder a essa questão implicou muita investigação e uma viagem até ao século XI da nossa era, em que Egberto de Liège escreveu a sua obra Fecunda Ratis, uma espécie de metafórica barca repleta de conhecimento linguístico. É, na verdade, um manual de exercícios de Latim, com um grau crescente de complexidade; começa por simples frases, depois conjuntos de dois versos, seguidos por pequenas histórias e algumas um pouco mais difíceis de ler. E entre essas últimas surge a seguinte sequência, que aqui traduzimos integralmente para Português:

[Título:] Sobre a menina salva dos filhotes de um lobo

O que vos conto, as pessoas do campo podem contar juntamente comigo, porque não é tão miraculoso que seja difícil de acreditar.
Um certo homem retirou uma menina da fonte sagrada e deu-lhe uma túnica de lã vermelha, nesse dia de Pentecostes em que foi baptizada. A menina, agora [já] com cinco anos de idade, saiu ao amanhecer, a pé e sem sentir o perigo. Um lobo atacou-a, levou-a para o seu antro na floresta, e deu-a aos seus filhotes para que ela fosse comida. Eles aproximaram-se logo dela e, como não a podiam magoar, começaram, livres de qualquer ferocidade, a acariciar-lhe a cabeça. "Não danifiquem esta túnica, ratinhos", disse a menina, "que o meu padrinho me deu quando me retirou da fonte."
[Moral?] Deus, criador de tudo, pacifica as almas selvagens.

Será esta a verdadeira origem do Capuchinho Vermelho? O seu autor parece dar a entender que esta era uma história bem conhecida no seu tempo, e há um elemento indisputavelmente religioso na sua trama (e.g. até surge entre outras histórias com conteúdos cristãos), com a túnica que a heroína recebeu a apresentar-se como uma prenda dada aquando do seu baptismo. O texto latino chama-lhe uma tunica, uma peça de roupa que normalmente não teria um capucho, mas se quisermos acreditar que esta história foi evoluindo com o tempo, acabando até por perder parte do seu elemento religioso, é certamente possível que represente uma forma muito embrionária de uma trama que, a longo prazo, até poderá ter tido a sua sequela, ou uma espécie de versão satírica, num relato como o que conhecemos nos nossos dias.

 

Atenção, isto não quer dizer que, sem qualquer dúvida, a história do Capuchinho Vermelho nasceu no século XI da nossa era. Afirmá-lo de uma forma tão simplista seria mentir. Podemos dizer, isso sim, é que existem várias narrativas muito semelhantes por toda a Europa, contadas oralmente e publicadas em livros ao longo dos séculos, e a apresentada aqui parece ser a mais antiga que une uma menina com uma peça de roupa vermelha a um lobo. Mas será isso suficiente para nos fazer aceitar que a breve trama que reproduzimos acima levou, com o passar dos séculos, a um conjunto sucessivo de versões que acabaram imortalizadas num conto de Charles Perrault, muito famoso e constantemente repetido nos nossos dias? Será que há uma relação real entre as duas histórias? Isso já é algo que não conseguimos provar sem margem para dúvidas, pelo que uma possível resposta, de natureza completamente pessoal, terá de ficar para quem ler estas linhas...

Gostas de mitos, lendas, livros pouco conhecidos e curiosidades? Podes receber as nossas publicações futuras por e-mail!