Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Mitologia em Português

03 de Julho, 2016

Uma pequena história das cores nas competições desportivas

Em tempo de algum Campeonato Europeu, fácil será ligar a televisão e ver duas equipas a jogarem futebol, cada uma delas com as respectivas cores, que facilmente permitem identificá-las. A França, por exemplo, pode ser vista de azul, e Portugal frequentemente de encarnado; noutras alturas do ano, o Benfica poderá ser visto de vermelho, o Sporting de verde, o Porto de azul, e assim sucessivamente. Estas cores servem não só para identificar as equipas mas igualmente para identificar os seus apoiantes. O que poucos saberão, ainda assim, é que estas coloridas ideias já provêm dos primeiros séculos da nossa era.

 

Em Constantinopla as competições desportivas eram apoiadas por quatro facções - os Azuis, os Brancos, os Verdes e os Vermelhos - que tinham influência não só no desporto mas também na política. As suas cores, como nos informa Malalas, remetiam-nos para os quatros elementos - respectivamente água, ar, terra e fogo - e também essas equipas, como algumas de hoje, se tendiam a revoltar e causar problemas sempre que as coisas, dentro ou fora "de campo", não corriam como eles desejavam. Terão até sido um misto de factores desportivos e descontentamento político a levar à "revolta de Nika", no ano de 532 d.C. , em que duas das principais facções se uniram numa mesma dificuldade e, durante uma semana, causaram problemas e destruição nessa capital. Seria como se, nos dias de hoje, adeptos do Sporting e Benfica se juntassem e destruíssem Lisboa, até que o exército os parasse. Assim se compreende que as cores desportivas, e os muitos confrontos daí resultantes, são quase tão antigos como as grandes competições desportivas, datando já dos primeiros séculos da nossa era.

Gostas de mitos, lendas, literatura ou curiosidades?
Recebe as nossas publicações futuras por e-mail - é gratuito e poderás aprender muitas coisas novas!