Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Mitologia em Português

O Polifemo de Homero

A figura do ciclope Polifemo é muitíssimo bem conhecida da Odisseia homérica, em que aprisiona Odisseu e os companheiros numa caverna. Porém, esse não é o único mito atribuído à figura; a presença das ovelhas, sob as quais Odisseu e seus companheiros acabam por fugir, dá-nos a supor uma outra ocupação por parte deste monstro, que tem alguma importância num outro mito, que o associa aos amantes Galateia e Ácis. Esse mito pode ser resumido assim:

 

Polífemo, enquanto trabalhava nos campos, conhece uma ninfa, chamada Galateia, que tenta seduzir com a sua música e alguns presentes campestres. Esta, no entanto, rejeita-o em favor de um mortal, Ácis. Quando vem a saber dessa relação, o ciclope, filho de Poseidon, nos seus cíumes acaba por matar Ácis com uma enorme pedra. Depois, infeliz, Galateia transforma esse defunto num curso de água.

 

Este mito é muito mais recente que o episódio homérico, mas em termos de trama, só pode antecedê-lo (recorde-se que, para escapar da caverna, Odisseu cega este monstro), e permite-nos compreender, de alguma forma, potencial relação pastoral que Polifemo tinha; como qualquer outro pastor da altura, também é provável que esta figura mitológica passasse o seu tempo nos campos a tocar flauta, a vigiar as ovelhas, a produzir queijos (entre outras tantas possibilidades), fazendo dele, mais do que um mero monstro (como o eram Tífon, Equidna, Cérbero, etc.), uma criatura civilizada, também ela propensa ao amor, ao cíume e à dor. Esses são aspectos a que aqui temos um acesso mais directo, mas em relação aos quais Homero apenas fazia algumas alusões, mais evidentes através da presença das ovelhas desta figura.

Gostas de mitos, lendas, livros pouco conhecidos e curiosidades? Podes receber as nossas publicações futuras por e-mail!