Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Para celebrar esta quadra de Natal trazemos, desta vez, algo bastante inesperado - numa espécie de prenda, decidimos recordar alguns provérbios portugueses dos Antigos que já poucos parecem conhecer nos nossos dias. Para quem estiver curioso, estes vieram da obra Tradições Populares de Portugal, de Leite de Vasconcelos, e de fontes orais a que fomos tendo acesso:

Uma pequena prenda de Natal

  • "Até ao Natal salto de pardal, de Natal a Janeiro salto de carneiro e de Janeiro a Fevereiro salto de outeiro." (Ou, em alternativa, "De Santa Luzia ao Natal, um salto de pardal, de Natal a Janeiro, um salto de carneiro.")
  • "Falar com sete pedras na mão."
  • "Joaninha voa voa, leva as cartas a Lisboa."
  • "Deus lhe dê tantos anos de vida como de palmos tem uma formiga."
  • "Pita que canta quer galo."
  • "Casa de pombos, casa de tombos."
  • "Bafo de cão até com pão."
  • "Bafo de gato que nem chegue ao fato."
  • "Merda e o cagalhão não entram na confissão."
  • "Antes burro vivo que cavalo morto."
  • "Madrasta, o nome lhe basta."
  • "Ovelha que berra, bocado que perde."
  • "Das largas ceias estão as sepulturas cheias."

 

Festas Felizes para todos!

Autoria e outros dados (tags, etc)

Um presépio

Na Língua Portuguesa poucas palavras são tão singulares como presépio. Quase toda a gente parece saber o que significa, mas ao mesmo tempo é também um vocábulo quase completamente esquecido durante 11 meses do ano. E, na verdade, o nome "presépio" vem do Latim; entre os seus significados originais encontra-se o do local em que os animais domésticos comem, não somente a própria manjedoura (vista na imagem acima como o berço de Jesus Cristo), mas também todo um imaginário que a envolve.

 

Agora, se o local do nascimento de Jesus Cristo não é totalmente estável nas fontes literárias que temos - alguns autores falam de um estábulo, enquanto que outros se referem a uma caverna - porque é esta cena religiosa tão representada nos nossos dias? Bem, conta-nos a Vida de São Francisco de Assis (da autoria de São Boaventura), que por volta do ano 1233, na cidade italiana de Greccio, o santo decidiu representar a Natividade com o objectivo de recordar ás pessoas a verdadeira essência do Natal.

Segundo a mesma fonte, esse primeiro Presépio tinha já uma manjedoura, feno, um boi e um burro, mas não nos é dito se já apresentava outras figuras (sob a forma de pessoas reais ou estátuas). Foi celebrada uma missa em seu redor, cuja beleza levou os crentes às lágrimas, e após ser desmanchado foram vários os milagres suscitados pelo feno que aí tinha sido utilizado.

 

Foi através de esta singular ideia de São Francisco de Assis, feita com aprovação papal, que a representação do nascimento de Jesus Cristo entrou para o imaginário da Igreja, sendo depois disseminada para toda a Europa ao longo dos séculos. E foi também assim que o Presépio veio a entrar em nossas casas, tanto em Portugal como em muitos outros países pelo mundo fora.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Esta expressão parece ser utilizada tanto no masculino como no feminino, referindo-se igualmente a uma "bicha de sete cabeça". Mas, seja uma bicha ou um bicho, tanto o seu significado como a sua origem parecem ser as mesmas.

A Hidra de Lerna e Hércules

A expressão tem a sua origem no difícil confronto de Hércules com a Hidra de Lerna, de que já falámos, por exemplo, aqui. Essa interrelação entre a expressão dos nossos dias e o antigo mito é fácil de notar se tivermos em conta que ela admite um certo grau de cepticismo, significando não só a uma situação complicada, mas uma também com um fundo mais imaginário do que real.

Assim, dizer a alguém algo como "Essa situação não é um bicho de sete cabeças" equivale a dizer-lhe que se encontra numa posição que não é tão difícil de superar como lhe poderá estar a parecer.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Secções:

Um dado clube português (mas não só...) tem no seu emblema uma expressão latina - "E Pluribus Unum". Mas de onde vem ela, e o que significa?

Símbolo do Clube

A sua aparição mais famosa na Antiguidade é no verso 102 de um poema chamado Moretum, atribuído (falsamente?) a um jovem Virgílio. Nesse poema gastronómico, enquanto é preparada a refeição que lhe dá o título, é dito que color est e pluribus unus, algo como "a cor é uma de entre muitas". Ou seja, enquanto misturava os ingredientes, o sujeito poético vê as cores de cada um deles a se irem dissipando, acabando por formar uma só tonalidade final.

E, na verdade, essa ideia da mistura dos ingredientes, que se vão assimilando para formar uma só refeição, capta perfeitamente o significado de toda a expressão - também dos constituintes se espera que se unam como um só, sob a égide de quem decide adoptar este lema.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Secções:

Relativamente à origem da palavra "panfleto", se consultarmos um dicionário ele tende a informar-nos que esta vem do inglês pamphlet. O que nos leva, obrigatoriamente, à questão adicional da origem da palavra no inglês. Na verdade, ela parece vir de um texto medieval chamado Pamphilus de amore, cuja enorme popularidade contribuiu para disseminar a expressão e constituir, de uma forma mais geral, o panfleto como um pequeno texto satírico.

 

Mas de que tratava, afinal, esse Pamphilus de amore? É, naturalmente, um texto satírico, em que um jovem amante procura a afeição da sua amada recorrendo aos serviços de uma sábia idosa. Não sabemos quem o terá escrito, mas a influência das produções poéticas de Ovídio, tão comum num determinado momento da Idade Média, é aqui, sem qualquer dúvida, notável.

O sempre-popular Ovídio

Autoria e outros dados (tags, etc)

Banho-maria

Quem gosta de culinária certamente que já ouviu a expressão "banho-maria". O dicionário português da Priberam define-o como um "Líquido quente em que se mete um recipiente que contém aquilo que se quer aquecer", como pode ser visto na imagem acima. Mas, afinal de contas, de onde vem a expressão?

 

A "Maria" a que se refere o processo é uma personagem histórica conhecida como "Maria, a Judia", uma alquimista do primeiro século da nossa era e que, supostamente, o teria inventado. Pouco sabemos sobre essa figura, ou os seus ensinamentos, com a excepção do que está preservado num breve extracto conhecido como Diálogo de Maria e Aros sobre o Magistério de Hermes.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Existem alguns momentos estranhos na criação deste espaço. Aqueles que, de tempos a tempos, até nos fazem rir um pouco, pela sua singularidade. Este é, de certa forma, um deles.

 

O dicionário da Priberam diz-nos que a palavra menopausa tem por origem dois vocábulos gregos, "menós" e "pausa", sendo que o primeiro significava mês (o segundo tem o mesmo significado que nos nossos dias). A situação ficaria por aqui, não fosse o facto de Varrão nos informar que Júpiter também tinha uma filha chamada Mena. A que presidia ela? Ao fluxo menstrual, juntamente com a nora, Juno (infelizmente, desconhecemos a identidade da mãe).

 

Não somos informados de qualquer mito associado a Mena, mas é sem dúvida possível que a menopausa tenha recebido essa designação por marcar o término da influência desta deusa. Ou então, que a própria deusa tenha obtido o seu nome do conceito grego. Em qualquer dos dois casos, não deixa de ser uma ideia que fascina, pelo facto de muitos vocábulos dos nossos dias ainda esconderem antigos deuses no seu interior...

Autoria e outros dados (tags, etc)




Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

  Pesquisar no Blog